Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


28.9.13

H020 Amesterdam (parte III)

(Continuação da parte II História H020)

Eu - my turn.
Agarrei-a pelos cabelos com força, e obriguei-a a ficar de joelhos no chão e com o corpo para cima do sofá. Com a rapariga de gatas e toda aberta, posicionei-me por trás dela, e agarrando-lhe nas ancas com força, enterrei-me todo naquela cona gostosa. Enquanto a ía fodendo à bruta, abria-lhe o cu e a cona com as mãos nas nádegas, e dando umas tapas boas naquele cuzinho delicioso. Que tesão… foda-se. A rapariga estava encharcada e a gemer de tanto levar com o grandalhão, bem grosso e duro. Quando estava quase a vir-me… agarrei-lhe os cabelos que puxei para trás, para a ter bem presa e bem coladinha a mim, e foi assim que me esporrei todo que nem um cabrão naquela cona boa, enquanto a via toda aberta a levar com o gostoso, até ao fundo, e a pensar que não me podia ir embora sem lhe comer aquele cu delicioso que se tinha estado a rir para mim aquele tempo todo.

Enquanto eu fui morrer para cima do sofá, ela foi saborear o gostoso.
Ela - Huummm… what a wonderful taste.

Depois de me deixar o gostoso bem limpinho, levantou-se e foi à casa de banho. Ouvi a água a correr. Pareceu-me que estava a tomar um duche. Levantei-me, vesti um roupão que estava pendurado atrás da porta e fui com a guitarra sentar-me nas cadeiras que estavam lá fora, numa plataforma flutuante em madeira uns 40 cm acima da água. O rio estava calmo e via-se as luzes da cidade na outra margem do rio. O som da guitarra misturava-se com o som da suave ondulação da água a bater na plataforma.

Quando voltou, vinha com duas cervejas na mão e com um charro na boca.
Ela - you have to teach me that one too.
Foi buscar um caderno e uma caneta e começou a tirar apontamentos, enquanto eu lhe dizia as notas da musica que estava a tocar.
Depois de bebermos as cervejas e de fumarmos o charrito, ela levantou-se e perguntou:
Ela - do you want to sleep with me?
Eu - sounds good to me. But I don't promise that can sleep beside you.
Ela - no problem ... If we can’t sleep... we fuck
Ela levantou-se, estendeu-me a mão e disse:
Ela - come with me…

Levou-me para o quarto, que tinha uma cama antiga em ferro, muito bonita, e pintada com umas cores muito garridas. Deitámo-nos. Comecei a apalpá-la… beijá-la… na boca… nas mamas… e ia a descer para a cona quando ela me empurra para o lado, salta para cima de mim ao contrário, põe-me a cona na boca e fica a mamar-me sofregamente enquanto me esfregava a cona toda na boca. Jasus… que delicia. Encontrámos um ritmo certo e constante, e foi a puta da loucura. Um 69 sabe sempre bem, mas aquele estava mesmo delicioso. Ela tinha uma mão apoiada na cama, e com a outra apertava-me o caralho com movimentos bem precisos enquanto me chupava todo. Eu tinha a boca aberta com a língua exposta, de forma a que ela esfregasse a cona na boca e ao mesmo tempo o clitóris na minha língua. Fui procurando posicionar a boca e a língua, de forma a que a cona dela fosse totalmente abrangida. O prazer foi-se intensificando, a coordenação de movimentos foi-se aperfeiçoando e os orgasmos foram inevitáveis. O engraçado, é que conseguimos virmo-nos ao mesmo tempo. Agora… um gajo esporrar-se todo na boca de uma gulosa, enquanto chafurda na cona dela, com ela a vir-se e a ejacular que nem uma cabra, ao mesmo tempo que vai engolindo o leitinho que me vai saindo do gostoso, é uma situação fantástica e de um prazer indescritível. Na mesma posição mas mais calminhos, fui lambendo a cona dela que estava mesmo deliciosa, enquanto ela me ia lambendo e chupando suavemente o gostoso, até o deixar limpinho. Como ela ejaculou mais uma vez, eu estava com a boca, o peito e o pescoço todos molhados do líquido que não consegui beber. Ela ejaculou de esguicho e em quantidade generosa, e ficou espantada com a dimensão da mancha que ficou na cama.

Ficámos agarradinhos na cama, conversámos um pouco acerca do que gostávamos mais no sexo e dos relacionamentos em geral. Uma coisa engraçada que ela me contou, é que nos últimos anos estava mais virada para as gajas, já tinha tido várias namoradas, e que não estava com um homem há 5 anos. Eu disse-lhe que, avaliando pelas mamadas que me fez, não tinha perdido a prática. Outra coisa que lhe disse, é que normalmente eu sou activo e até dominador, e que gosto de mulheres passivas e submissas, e que adoro sentir a entrega da mulher, que me deixa fazer o que me apetecer na cama. Constatámos que no nosso caso, não fizemos nada do que estávamos habituados. Ela esteve com um homem que não estava há anos e foi mais activa, e eu que sou um dominador nato estive numa posição mais passiva. Apesar de termos todas as condições para a coisa não correr nada bem… foi simplesmente fantástico e muito prazeroso.

(Continua no próximos post)

2 comentários:

Sexy Couple disse...

História picante sem dúvida. Fiquei com vontade...

xarmus disse...

Olá Ana

Isso é bom sinal.

Beijocas