Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


16.2.14

H021 A submissa (Parte II)

(Continuação da parte I)

No dia seguinte, e conforme combinado, liguei-lhe para falarmos ao telefone e confirmar se estava tudo bem para o nosso encontro. Conversámos uns bons 15 minutos, e como a falar é tudo mais fácil, aproveitei para lhe propor uma situação que eu adoro, mas que nem sempre é fácil as mulheres aceitarem, que era eu entrar sem nos vermos e só nos conhecermos já na cama. É uma situação sempre um bocado arriscada para as mulheres, é preciso coragem e alguma dose de loucura para se aceitar uma situação dessas. Mas a rapariga era Italiana, investigadora numa universidade, logicamente inteligente e valia a pena tentar a sorte. Apliquei todo o meu poder de persuasão, e conforme eu esperava nem foi difícil convencê-la. Ela adorou a ideia, e combinámos alguns pormenores necessários a que tudo corresse bem. A ideia era eu entrar sozinho, já que ela conseguia abrir do quarto a porta da rua, com comando à distância. A casa tinha 3 pisos, e ela estaria no último onde era o quarto dela.

Apesar de termos previamente combinado para a noite, como ela me disse que estava em casa a partir das 18h e eu me despachei mais cedo, enviei-lhe uma mensagem a perguntar se podia ir mais cedo, e às 18:30h estava eu a chegar a casa dela. Tinha-me enviado a morada por sms que eu introduzi no gps do meu telemóvel. Por ruas e travessas no Bairro Alto, lá me vi em frente ao número da porta que ela me enviou. Era um palacete, com uma porta enorme em madeira.

Toquei à campainha, e a porta abriu-se. Entrei devagarinho. Estava escuro. Cheirava bem. Ouvia-se um som calmo no piso de cima. Esperei em silêncio até os olhos se habituarem à penumbra. No piso da entrada, tinha uma bicicleta e um cabide com casacos. Era um hall de entrada grande, que estava transformado numa biblioteca com uma parede forrada com prateleiras de livros. Tinha uns sofás com aspecto bem confortável, e acesso a um quarto com vista para as traseiras. Subi umas escadas largas para o piso de cima, que era uma sala de estar grande, com sofás e uma vidraça do chão até ao tecto, com uma vista fantástica sobre a cidade e o rio. O sol já estava baixo e começava a ganhar uma cor alaranjada que inundava a sala, conferindo-lhe um ambiente quente e confortável. No sistema de som da sala, ouvia-se um som “chill out”, bem relaxante. Tudo perfeito.

A sala, a cozinha e a zona de refeições estavam no mesmo espaço mas em níveis diferentes, separadas por uns degraus. Subi mais esse lanço de escadas e cheguei à cozinha e zona de refeições em estilo “mezanino”. Na zona de refeições tinha uma escada de ferro em caracol que dava acesso ao último piso. Subi a escada devagar, e quando cheguei ao cimo da escada vi a cama grande no meio do quarto. Este quarto, situado nas águas furtadas da casa, tinha umas portas de correr que davam acesso à varanda, que apesar de estar com os cortinados semifechados dava para perceber uma vista maravilhosa sobre a cidade de Lisboa. No quarto, sentia-se o perfume do incenso que queimava em cima de uma camilha redonda. Apesar de estar na penumbra, o espaço era invadido pelos raios de sol que penetravam através da abertura nos cortinados, e lhe davam um colorido acolhedor.

Na cama, estava deitada de barriga para baixo, uma mulher loira de cabelos compridos. Já tinha visto fotos da cara e do corpo dela, mas nunca a tinha visto pessoalmente. Estava tapada apenas com um lençol branco, que deixava transparecer as curvas do seu corpo. Aproximei-me da cadeira que estava no fundo do quarto e comecei a despir-me, enquanto arregalava os olhos, e imaginando que ia poder disfrutar daquele corpo maravilhoso, pronto a se entregar a mim. Não trocámos uma única palavra. Só se ouvia a música relaxante que vinha da sala, e a minha respiração ainda um pouco ofegante, de subir tanta escada. Depois de me despir, cheguei aos pés da cama, levantei o lençol até à cintura dela e entrei pelos pés da cama.

Como ela estava de barriga para baixo, abri-lhe as pernas e fui apalpando tudo à minha vontade. Ela tinha a pele extremamente macia e muito branquinha. Tinha um rabinho delicioso, com as curvas todas no sítio. Abri-lhe as nádegas e vi o buraquinho do cu e a cona loirinha. Uma delícia. Passei a língua ao de leve naqueles buraquinhos bons. Já estava toda molhada.

Puxei o lençol mais para cima de forma a cobrir-lhe a cabeça e voltei-a ao contrário. Voltei a abrir-lhe as pernas e fiquei a apreciar a maravilhosa vista. Deitei-me entre as pernas dela, encostei a cabeça no ventre dela, e fiquei assim um momento enquanto ouvia as aceleradas batidas do coração. Numa situação em que os parceiros não se conhecem, é bom ter momentos calmos, de caricias, para acalmar a ansiedade e criar confiança. Com a cabeça no ventre dela, fui apalpando das ancas até às mamas. Desci, Instalei-me confortavelmente entre as suas pernas para me deliciar com aquela cona gostosa já toda ensopada. Tinha uns pelinhos, poucos, muito loirinhos.

Encostei a boca na cona dela e comecei por dar uns beijinhos muito suaves. Conforme a cona se ia abrindo, e os lábios da coninha ficavam mais inchados e duros, os beijos tornavam-se mais intensos e gulosos. Nesta altura já a respiração dela começava a fazer ouvir-se no quarto, acompanhada do som relaxante que vinham do piso de baixo. Quando comecei a passar a língua de baixo para cima muito suavemente já a rapariga se estava a passar. Intensifiquei a pressão da língua e comecei a explorar todos os recantozinhos daquela cona gostosa, e conforme ia lambendo e chupando o clitóris, a respiração ofegante passou a uns gemidos bem sensuais. Como os gemidos eram em italiano eu não percebi nada… mas continuei na mesma… hehehehe.

Depois de perceber que a sensibilidade dela permitia mais pressão com a língua, e como ela já estava bem molhada e completamente entregue, de pernas bem abertas, suguei-lhe o clitóris para dentro da minha boca, e depois de preso por sucção, comecei a passar-lhe a língua em movimentos rápidos mesmo em cima do clitóris. Esta prática que faço com mestria e habilidade, deixa qualquer mulher completamente perdida de prazer, e insistindo, acaba em orgasmo certo. Continuei ao mesmo ritmo mas intensificando a pressão com a língua, até ela explodir num orgasmo intenso e duradoiro. Adoro sentir tudinho.

Como já estava com o pau bem rijo, fui subindo sem lhe ver a cara, pus-lhe uma almofada em cima da cabeça ainda coberta pelo lençol, e depois de esfregar a cabeça do caralho na entrada da cona para estar bem recetiva, penetrei-a suavemente para sentir cada centímetro. Encostei a cabeça à almofada entre as nossas cabeças, e estivemos a saborear o vai e vem com muita calma. Senti que ela estava quase a vir-se pelos gemidos que me chegavam através da almofada e comecei a fodê-la com mais força, até que ela se veio mais uma vez com grande intensidade. Com a brincadeira, também eu tive um dos meus deliciosos orgasmos secos. Tirei-lhe a almofada e o lençol de cima da cabeça, e finalmente nos vimos pela primeira vez, comigo ainda todo enterrado na cona dela. Ainda não tínhamos trocado uma palavra…

(Continua no próximo post)

Sem comentários: