Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


18.2.14

H021 A submissa (Parte III)

(Continuação da parte II)

Eu - Olá… soube bem?
Ela - Muuuuiiiiiiiito bem.
Eu – Agora posso servir-me? Posso esticar-me?
Ela - Podes tudo…
Ainda deitado em cima dela, meti-lhe uma mão por baixo da nuca e com a outra agarrei-lhe os cabelos, e servi-me à vontadinha. Esfodacei-lhe a cona com vontade e convicção. Com os dois corpos entrelaçados, cheios de vontade de ter prazer, fui dando largas à invaginação, com amassos e nomes feios. Como ela já se tinha vindo duas vezes, e eu só tinha tido um orgasmo sem ejaculação, desta vez estava a fodê-la para meu prazer, e pouco preocupado com o prazer dela. Apesar disso, como uma mulher não é de ferro, o meu prazer e a minha ascensão até ao orgasmo, excitaram-na muito e ela começou a responder à minha “dirty talk”. Falávamos em trilingue. Eu falava em português e inglês, e ela em inglês e italiano. As hostilidades continuaram à minha vontade, até explodirmos num orgasmo conjunto intenso e delicioso. Uma maravilha. Aconselho ao mais comum dos mortais.

Depois de descansarmos um bocadinho e de trocarmos algumas caricias, com umas festinhas e umas beijocas boas, ela, que estava mortinha para abocanhar o gostoso, desceu para se deliciar com o grandalhão. Eu fiquei deitado de barriga para cima a sentir e a ver aquela mulher linda a mamar-me no gostoso com vontade e dedicação. O gostoso, depois de cada orgasmo fica mais molinho, mas ver aquela mulher toda gulosa a lamber e mamar no gostoso fizeram-no voltar à vida. Depois de a deixar deliciar-se e adaptar-se à dimensão do bicho, que entretanto já estava grosso e duro que nem pedra, deitei-a de lado, agarrei-a pelos cabelos e fodi-lhe a boca à minha vontade. Primeiro mais devagarinho para ela sincronizar a respiração com os movimentos, e depois, conforme o prazer ia aumentando, com mais rapidez e profundidade. A rapariga aguentava-se bem às investidas e gemia de prazer. Fodi-lhe a boca até me esporrar todo na boca dela. Ela não desperdiçou nada. Bebeu tudo com muito prazer, e ficou a lamber o gostoso até ficar limpinho.

Como Já estávamos os dois a precisar de descansar, e como o fim de tarde estava muito agradável, fomos instalar-nos nus nas cadeiras da varanda, onde ainda deu para ver o sol desaparecer. Acendi um cigarrinho, e apesar de sermos uns perfeitos desconhecidos, mantivemo-nos em silêncio enquanto apreciávamos os últimos raios de sol nos corpos nus, e sentimos a brisa suave e quente. Estivemos uma meia hora na varanda. A temperatura estava fantástica. Aproveitei para fotografar a vista maravilhosa sobre a cidade com as primeiras luzes a acenderem.

O fim de tarde abriu-nos o apetite e decidimos ir para a cozinha ver o que havia para comer. Fizemos umas saladas bem fixes com ingredientes diversos, acompanhadas por um excelente vinho tinto. Conversámos acerca de sexo, do que gostávamos mais no sexo, de encontros e da forma louca como nos conhecemos. Como virámos uma garrafinha inteirinha, ficámos prontos para o pior.

Eu – vamos ao segundo assalto?
Ela – vamos!!
Eu – Posso abusar mais?
Ela – podes tudo o que quiseres
Eu – Maravilha… é assim que eu gosto.

Subimos para o quarto, e fomos para a cama. Como tinha a camara fotográfica em cima da cama, pedi-lhe se podia tirar para umas fotozinhas àquela cona linda, para mais tarde recordar, e claro, partilhar com os meus leitores. As fotos, como sempre excitaram-me bastante, e tive que largar a camara para me deliciar com aquela cona deliciosa.

Eu – Posso começar com as hostilidades?
Ela – Estou desejosa disso.
Eu – Põe-te de gatas minha puta… com as pernas bem abertas.

Ela pôs-se de gatas em cima da cama, bem aberta. Eu pus-me de joelhos em frente dela, agarrei-lhe na cabeça pelos cabelos e fodi-lhe a boca com suavidade. Estive a saborear aquela boca gulosa até ficar com o gostoso quase a explodir, e depois dei a volta e fui enterrar-me naquela cona boa, toda ensopada, e desejosa de ser bem fodida. Como ela era submissa e gostava de ser abusada, enquanto a fodia à bruta, puxei-lhe os cabelos, dei-lhe umas boas palmadas naquelas nádegas lindas que começaram logo a ficar vermelhas.
Eu – Gostas de levar na cona minha puta?
Ela – yeesssssss… I love it.
Eu – agora vais fartar-te de levar na cona minha cadela, e vais ser maltratada.
Ela - whatever you want my master… fuck me hard.

Nesta posição, uso 2 variantes diferentes, uma que permite penetrar mais fundo e outra que permite penetrar de forma muito rápida. É uma delícia ver uma fêmea de gatas, toda aberta, a oferecer a cona ao macho para ser penetrada. Disfrutei daquela gata linda, abusando à minha vontade. Com palmadas naquele rabinho delicioso, e dirty talk. Ela meteu uma mão por baixo e começou a estimular a clitóris enquanto era fodida por trás. Depois de mais um orgasmozinho bem delicioso nesta posição, e como sei que elas se vêm muito bem sentadas no gostoso, deitei-me de barriga para cima e disse-lhe para se servir à vontadinha.

Nesta posição, a mulher pode mexer-se da forma que lhe der mais prazer, e consegue esfregar o clitóris na base do gostoso. Foi sentada em cima de mim, completamente enterrada no gostoso, com as mãos apoiadas no meu peito e esfregando-se freneticamente que a Enimia teve um orgasmo estrondoso e avassalador. Foi um verdadeiro prazer participar deste delicioso espetáculo que é ver e sentir uma mulher a ter prazer até chegar ao orgasmo. A Enimia ficou exausta e deixou-se cair para cima de mim. Estava muito ofegante, rosadinha e transpirada. Deixei-a descansar. Dei-lhe umas festinhas na cabeça, enquanto sentia a desaceleração do coração dela no meu peito.

Quando a conheci, ela disse-me que era submissa e gostava de ser dominada e abusada, mas quando não se conhece bem as pessoas com quem nos embrulhamos, nunca sabemos que grau de agressividade é desejado e prazeroso para a parceira. Eu adoro abusar mas necessito ter a certeza que também é desejado do outro lado. Não me dá prazer abusar à grande de quem não gosta de ser abusada ou que não goste de determinados abusos. Assim, fica difícil soltar-me, porque tenho sempre receio de fazer algo que de alguma forma seja desagradável à parceira. Para umas brincadeiras mais duras, é necessário que os parceiros já se conheçam e saibam bem o que podem esperar um do outro. Uma boa relação dominador/submissa tem que se construir com tempo e dedicação. Embora me apetecesse abusar à grande, senti que não estavam reunidas as condições nem era a altura própria para o fazer. Haveria de ter outras oportunidades.

Como ela já estava satisfeita e eu ainda não me tinha vindo neste segundo assalto, restava-me servir-me daquele corpinho delicioso e oferecer-lhe o meu prazer.

Como estou tão habituado a conter a ejaculação para dar muito prazer à parceira e para eu ter vários orgasmos secos, quando a ideia é mesmo ejacular, tenho que formatar a cabeça para curtir à vontade e deixar ir até ao fim.

Deitei-a de barriga para cima, abri-lhe as pernas, e fui deliciar-me a dar umas beijocas e a lamber-lhe a coninha muito suavemente, até ela ficar bem ensopada. Depois, fui subindo pelo corpo dela, com beijocas na barriga… nas mamas… e acabei a entrar por ela a dentro devagarinho mas com determinação. Estava com o gostoso bem grosso e rijo, e sentia-a completamente preenchida. Penetrei-a à vontadinha. Alternando entre umas investidas suaves até às mais brutas. É delicioso ir sentindo o prazer e as respostas do corpo da parceira quando é deliciosamente fodida. Agora, com mais à vontade entre nós, já se consegue um sexo mais selvagem e com maior entrega. Depois de mais dois orgasmos dela e mais dois meus, estava finalmente na hora de comer a cereja no topo do bolo, que tínhamos deixado propositadamente para o fim.
Eu – Agora minha puta, vais mamar-me no caralho até eu me esporrar todo na tua boca. Quero um broche delicioso.
Ela – whatever you want my master. You deserve everything.

Instalei-me confortavelmente no meio das almofadas, encostado na cabeceira da cama, e fiquei a apreciar a vista. Deu-me um prazer fantástico vê-la toda gulosa a mamar-me no caralho, desejosa de beber tudo. Agarrava o gostoso com a mão toda e enfiava a outra metade na boca, chupando gulosamente. Abandonei-me ao prazer, deixando fluir. Deliciei-me a sentir o prazer dela a aumentar ao ritmo do meu, mamando de forma cada vez mais gulosa à medida que me aproximava da explosão final, ao mesmo tempo que ia acelerando o ritmo do movimento da mão, e gemendo de prazer. A outra mão massajava-me os colhões como a que a querer prever a saída do leitinho quentinho. A explosão foi enorme, e apesar de ter ejaculado em grande quantidade, ela não se atrapalhou nada. Parecia que estava a beber leite com chocolate, tal era o ar guloso com que se deliciou com o leitinho. Uma delicia de se sentir e de se ver. Depois de ter deixado tudo muito limpinho, veio aninhar-se com a cabeça no meu peito. Ficámos deitados, abraçados, enquanto os batimentos cardiacos voltavam ao ritmo normal. Adormecemos assim.

8 comentários:

Mister Charmoso disse...

tu e as estrangeiras é sempre uma foda proveitosa
Abraços companheiro

xarmus disse...

Tenho que praticar a língua... ou melhor, várias línguas. E o gostoso gosta de se internacionalizar.

Abraço

Luciana disse...

Que belo final de tarde!!
É sempre um prazer ler estes testemunhos...

xarmus disse...

Olá Luciana

Não tão enlameados como os teus... mas também muito prazerosos... heheheh

Beijinho e obrigado pela visita.

C. disse...

Belas histórias que tens por aqui...

xarmus disse...

Obrigado C. ... vai aparecendo.

Luciana disse...

Enlameados para as crianças, pois os adultos enlameiam-se de outras formas bem prazerosas....
Que bela companhia que este blog tem feito, sempre com ideias boas a por em prática lá por casa!!!
Beijos


xarmus disse...

Olá Luciana

É sempre um prazer poder ajudar. Divirtam-se.

Beijos