Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


18.1.15

Conversa 1153 Casal Anónimo 02 C01

Salete 31C diz (23:59) ola
xarmus diz (00:00) (flor)
olá desaparecida
não precisas de matar ninguém para justificar teres desaparecido sem dizer nada
Salete 31C diz (00:00) não sei estas aqui mas só vim dizer-te que a minha ausencia foi pq o meu pai faleceu
afinal estas
xarmus diz (00:00) pois... não precisavas de matar o paizinho
Salete 31C diz (00:01) o que queres dizer com isso
xarmus diz (00:01) não pudeste... tudo bem
embora pudesses ter avisado
Salete 31C diz (00:01) ok
sim, podia
mas estes dias não estive sozinha
como deves de imaginar
agora vou sair
ja disse o que queria
só te queria dizer isso mais nada
fica bem
beijo
xarmus diz (00:02) mas o teu pai não morreu mesmo... né?
Salete 31C diz (00:02) não
apeteceu-me dizer isto
pq precisava de me sentir bem
sim, o meu pai morreu mesmo
xarmus diz (00:03) sei lá... não imaginas as mulheres a quem o pai morreu no dia de se irem encontrar comigo… pais… tios… primos
Salete 31C diz (00:03) teve um avc
desculpa
nao sou como as mulheres que morrem os familiares
e não brinco com este assunto
xarmus diz (00:03) mas se é mesmo verdade... os meus mais sentidos pêsames
Salete 31C diz (00:03) ainda estou a tentar perceber o que ando a fazer
obrigado
se forem mesmo sentidos
agora tenho de ir
xarmus diz (00:04) mas como podes verificar lá em cima... antes de dizeres que o teu pai morreu... já eu tinha dito que não precisavas de matar ninguém… é porque é costume dizerem isso
Salete 31C diz (00:04) pois
como deves de imaginar
eu não tenho assim tanta experiencia destas conversas para saber que costumam matar familiares para não se encontrarem ctg
xarmus diz (00:06) pois... imagino que não
Salete 31C diz (00:06) pois
olha
pensa o que quiseres
fica bem
bj
xarmus diz (00:07) mas se é mesmo verdade... tens mesmo que levar a vida em frente... dar apoio à tua mãe... e pensares que a vida continua
beijocas
(flor2)

2 comentários:

Anónimo disse...

Qual o interesse de publicar esta conversa? Para além de que foi mesmo mau carácter desconfiar de que o pai morreu e insistir nisso. Lol

xarmus disse...

Olá Anónimo... não entendeste a piada da conversa, mas eu explico.

Nestas coisas de marcar encontros com desconhecidos, acontece muitas vezes que as pessoas não aparecem nos encontros, por várias razões. Uma das razões que é apresentada com frequência, é que morreu alguém de familia. Como já me tinha acontecido isso várias vezes, quando esta mulher faltou ao encontro, pensei cá para mim... outra que me vai dizer que lhe morreu o primo.

Passados uns dias, quando a vi aparecer no msn, como já estava à espera que ela viesse com uma desculpa esfarrapada, antes de ela me dizer alguma coisa, disse-lhe logo que ela não precisava de matar ninguém, como desculpa.

Coincidência ou não, no mesmo instante que eu estava a escrever a frase, ela estava a dizer-me que o pai tinha morrido. Embora a minha frase tenha caído primeiro, a frase dela tem a mesma hora que a minha.

Nunca cheguei a perceber se o pai dela morreu mesmo ou foi mais uma desculpa do costume. Não imaginas as pessoas a quem morre um familiar no dia do encontro. É óbvio que na maioria das vezes, é mentira.