Seduzir com prazer

Ao criar este blogue, a ideia foi partilhar a minha experiência adquirida ao longo de 15 anos de frequência em sites, chats e redes sociais. Teclei, conversei, conheci muitas pessoas e vivi experiências que foram a vertente prática da minha aprendizagem. A net, com a possibilidade de nos relacionarmos anonimamente, veio trazer novas formas de interagirmos uns com os outros.

O objetivo deste blog é, através da partilha, ajudar a que todos nós compreendamos melhor esta nova realidade, e com isso estimular a reflexão de temas como o amor, o sexo e os relacionamentos em geral. Assim, publicarei algumas histórias por mim vividas, reflexões, informação que ache relevante, históricos de conversas, e algumas fotos sensuais de corpos de mulheres com quem troquei prazer e que tive o privilégio de fotografar. Todos os textos e fotos que vou publicando, não estão por ordem cronológica, e podem ter acontecido nos últimos 15 anos ou nos últimos dias. Todas as fotos e conversas publicadas, têm o consentimento dos intervenientes.

As imagens publicadas neste blogue estão protegidas pelo código do direito de autor, não podendo ser copiadas, alteradas, distribuídas ou utilizadas sem autorização expressa do autor.


28.3.11

H019 Coisas que acontecem ( parte III )

Deitei-a de barriga para cima, e fui lamber-lhe a coninha toda. Comecei com uns beijinhos suaves, e conforme ela ia ficando molhadinha ia lambendo com mais força. Ela tinha um clítoris enorme que começou a ficar duro, agarrei-o com os dentes e enquanto o sugava, massajava-o com a língua. A rapariga veio-se em menos de um minuto. Estrondosamente. Passei para os beijinhos suaves para lhe dar algum descanso, e enfiei-lhe dois dedos na coninha e fui procurar o ponto G. Mesmo que eu não soubesse onde ele está, pelo gemido dela quando lá toquei, tinha dado logo com o sítio. Com os dedos dentro da coninha dela e com a boca a sugar-lhe o clítoris, e os movimentos rápidos da língua, foram poucos segundos para se voltar a vir. Que chatice, eu que gosto tanto de lamber uma boa coninha, nem tinha tempo para me deliciar. A barulheira que ela fez a vir-se, levou-me a pensar que o melhor era subir o volume ao som. Apetecia-me lambê-la mais, a fisionomia daquela cona e aquele clítoris, encaixavam mesmo bem na minha boca. Tive uma ideia fantástica. Fui subir o volume do leitor de cd’s, amarrei-a com as pernas bem abertas, enfiei-lhe as cuecas na boca, colei-lhe uma tira de fita adesiva cinzenta na boca e fui deliciar-me na cona dela. Estive ali uns bons 15 minutos a deliciar-me, e a rapariga parecia que estava a ser executada numa cadeira eléctrica. Enquanto ela ia tendo orgasmos múltiplos e seguidinhos, eu nunca parei de lambê-la e de a foder com os dedos.

Aquilo deve ter sido horrível para ela, porque ela não parou de gritar. Se não estivesse com as cuecas na boca e a fita a colar-lhe os lábios, ia parecer que a estavam a matar. Como eu já estava com o piço a rebentar de tão duro que estava, e quando já me senti satisfeito de a lamber, tirei-lhe os dedos da cona, enfiei um preservativo XXL e entrei por ela a dentro sem dó nem piedade. Fodi-a de todas as maneiras e feitios, até me apetecer. Houve alturas em que lhe agarrei nos cabelos com força e dei-lhe uns estalos na cara. Se era ou já tinha sido praticante de bdsm, aquilo para ela eram peanuts. Sem lhe tirar a fita da boca, desamarrei-a, voltei-a de barriga para baixo e voltei a amarrá-la.
Eu: - Agora vais levar com o cinto e ser enrabada de seguida.
Fui buscar um cinto de couro, agarrei na fivela e dei duas voltas na mão direita. Já tinha lido alguns textos acerca do bdsm e sabia mais ou menos como a coisa funcionava.
Eu: - Vais apanhar 20 açoites para te aquecer o rabinho, e depois vais levar mais 10 açoites com força. Ela já estava com a respiração ofegante só de pensar na dor que ia sentir e no prazer que ia ter. Passei-lhe os dedos pela cona e estava encharcada.
Comecei a dar-lhe com o cinto nas nádegas, com pouca força no inicio, e fui aumentando a força conforme me aproximava do fim das primeiras 20 chibatadas. Ela estava toda transpirada, na cara e nas costas. Cada vez que o cinto lhe marcava as nádegas ela largava um grito abafado. Agarrei-a pelos cabelos, levantei-lhe a cara da almofada e perguntei:
Eu: - Está tudo bem puta? Ela acenou com a cabeça um sim muito convicto.
Eu: - Agora vais levar 10 chicotadas com força… estas vão doer… para matares as saudades vai ter que ser assim…

O rabinho dela já estava todo vermelho e muito quente. As marcas do cinto eram visíveis nas nádegas. Devo confessar, que embora não seja um homem violento e que nunca tenha batido numa mulher, aquelas 10 chicotadas deram-me um prazer inimaginável. Uma a uma, o som de cada chibatada com força provocava um som excitante. Seguido do som da chibatada, vinha sempre o som abafado do grito dela. No meio daquelas 10 chibatadas, 3 foram nas costas, que nem sequer tinham tido aquecimento, e a marca do cinto ficou bem visível, com a pele vermelha e empolada.

Depois da décima chibata, abri-lhe as nádegas com as mãos e enterrei-me no cu dela até não entrar mais. O grito dela deu para ver que não foi pêra doce. Fiquei imóvel durante uns segundos para a coisa ganhar alguma folga, e comecei o vai e vem com movimentos lentos que foram aumentando de velocidade. Com uma mão a agarrar-lhe o braço esquerdo, e a outra em cima da cabeça dela a agarrar-lhe os cabelos com força, fodi-lhe aquele cu delicioso até me esporrar todo.

Tirei o preservativo e fiquei burro quando reparei como estavam as costas e o rabinho dela. Do vermelho estava a passar para o roxo. Fui ver se ela estava bem. Ela respirava ofegante apenas pelo nariz, e tirei-lhe a fita da boca de um só golpe. Se tinha busso, ficou sem nadinha. (isto com a depilação do busso incluída, até devia custar dinheiro). Tirei-lhe as cuecas da boca. Aproveitou para respirar pela boca ainda ofegante e repor os níveis de oxigénio. Ela deve ter passado um mau bocado, estava com a cara inchada, vermelha e toda molhada numa mistura de suor, lágrimas e ranhoca. Fui ao wc buscar toalhetes húmidos e bepantene. Ainda amarrada, limpei-lhe a cara com os toalhetes húmidos, e fui massajar-lhe as costas e as nádegas com bepantene que é muito bom para os rabinhos assados dos bebés.
(Continua no proximo post)

6 comentários:

Mulher Sexy disse...

Vc realmente é MARAVILHOSO e INTENSO ao escrever...
Molhei-me toda e quase gozei para vc!!! És um espetáculo homem!!!
Sortuda esta rapariga...
Tu vens ao Brasil? rs
Bjo

xarmus disse...

Pois... este maldito atlantico entre nós e vocês às vezes consegue ser mesmo inconveniente...

Costumava ir ao Brasil duas vezes por ano, quando aqui fazia frio... lá ia eu para o quentinho. Fui mais de 10 vezes ao Brasil, conheço toda a costa de S. Paulo até fortaleza, mas a prostituta da crise que se instalou por estas bandas anda-nos a foder a todos e sem beijinhos... enfim, melhores tempos virão... esperamos nós.

Mulher Sexy disse...

É realmente a crise estais a fodê-los sem beijos e principalmente sem vaselina, acredito que SIM, melhores tempos virão... Não temos pressa! rs
Opa... quentinho(a) sempre tenho por aqui... e NESTE momento além de quentinha está molhada!

Anónimo disse...

Ganda Xamus.
Se o Socrates te descobre ainda te leva pro governo.Serás a vaselina do FMI.

RabodeSaia

xarmus disse...

Olá Mulher Sexy

Huuummmm que delicia... quentinha e molhadinha é muito bom... beijos

xarmus disse...

Olá RabodeSaia

Foda-se... não quero nada com o FMI e muito menos com o socrates... acho que os dois deviam ir levar na peida para bem longe daqui.